"A liberdade de ser pai"


Texto escrito pelo meu maridex antes dos babies nascerem, já prevendo o que aconteceria:

A LIBERDADE DE SER PAI

"Dizem que liberdade é poder tudo sobre si.

Um velho adágio sobre a grandeza do mundo moderno e egocentrista. É algo bem forte ao ser dito. Entretanto, nunca foi tão forte para mim quanto para o momento único pelo qual passo: ser pai.

Quando a Mimi e eu resolvemos ter o Miguel e a Rute jamais nos passou pelas nossas cabeças (isso se chama ingenuidade misturada com inexperiência) o quanto aprenderíamos. Sobretudo em relação ao que seríamos capazes de ser e oferecer a este casalzinho de picorruchos.

Nunca me imaginei trocando fraldas, nem tão pouco suportando um choro de criança. Ter filhos era uma imagem distante. Hoje me emociono com as roupinhas de boneca penduradas no varal, com aquele perfume gostoso. Hoje, a satisfação que me aquece ao saber que fui capaz de fazer um bebê sorrir me faz imaginar se seria capaz de fazer o mesmo pelos nossos filhos. Até vídeos no youtube, deliberadamente enviados pela minha Mimi me fazem lacrimejar.

Sempre tive um "quê" de emotivo, mas percebi que posso me emocionar com muito pouco, mas que é o suficiente para transbordar o coração.

Para quem sempre atuou na área de exatas e informática, me vi surpreso com escolhas de roupas, bodyes, mijões, cores e decoração para o quarto de nossos filhos. Me vi surpreso ao imaginar cenas na cadeira de amamentação a meia-luz, e aqueles dois seres iluminados olhando para mim. Mal sabem eles que a contemplação é mútua. Até então os únicos contatos possíveis eram através de imagens de ultra-som e movimentos da barriga da Mimi; aliás, mais pareciam aliens mexendo...mas cuja surpresa é inesquecível.

Gostoso é saber que meu coração tem mais espaço. Posso usar, agora, meu estoque de "eu te amo" sem medo de ser feliz, sem medo de ser pai. Aliás, um excelente hábito, já criado desde que eu conheci a minha Mimi. Dizem que bons hábitos ou se herdam, ou se aprendem. Que este último seja uma das heranças que serão passadas aos nossos filhos: amar e deixar claro ao se amar. Por que, e seja isto bem claro e transparente, o amor realmente move montanhas.
Montanhas de fraldas, xixi, cocô, noites mal dormidas, preocupações...muito do que passaram os pais de primeira viagem tem tanto valor quanto agora.
Quem nunca ficou sem dormir por uma prova, pelo trabalho, pela opinião dos outros...Nada como algo que valha a pena ficar acordado, o amor incondicional que só um filho oferece...em nosso caso, dois, um casal.

Hoje me vejo perdido, rindo nervoso e gargalhando no meio de mamadeiras, fraldas, brinquedos e vídeos e músicas de desenhos animados. A religião, até então, foi a única capaz de me oferecer um sentido maior em minha vida. Mas, para a minha alegria, percebi que a vida vem em ondas como o mar, assim é cantada a música. E diria mais: a vida vem em círculos. Minha Mimi, que amo de montão, me mostrou Deus. Deus nos mostrou ser possível ter filhos e a confiar. Os filhotes confirmaram o milagre da vida. Este milagre, agora, oferece dois sentidos para a vida: Rute e Miguel. A estas vidas agradeço a Deus pois tenho a Ele, Mimi, Miguel e Rute. E o círculo se reinicia. Simples!

Sou abençoado por ter então quatro sentidos pelo qual suspirar a cada manhã. Assim como os quatro pontos cardeais. Não estou mais perdido. Me achei. Que privilégio em tempos tão caóticos, frenéticos e loucos como este que vivemos.

Sou livre. Sou pai pois posso ser e escolher ser o que meus quatro sentidos da vida me permitem ser.
Finalmente posso tudo sobre mim. Quero que minha Família também o possa.

- Filhos, subam em mim. O que estão vendo? Contem para o papai!"

1 comentários:

Cynthia Barreto disse...

Ah Mimi, que texto lindo seu maridão escreveu!!

Desejo que a família de vocês seja sempre assim, feliz e com muito amor nesse lindo círculo...

Beijos!

Postar um comentário