Era uma vez...


Desde quando Ruteca e Miguelito eram bebês, compramos livros para eles. A ida a boas livrarias (Cultura, Fnac, Saraiva) sempre fez parte dos nossos passeios, pelo o menos 1 vez por mês. Antes de 1 ano de idade eram aqueles livros de plástico (bons para pôr no banho, mas que encharcam se furar), ou aqueles de pano (que ficavam sujos rápido rápido).
Quando eles estavam com 1 ano, tentei por dezenas de vezes contar histórias para eles, mas não rolava. Com 1 ano eles exploravam os livros, de cima para baixo, de ponta cabeça, rasgavam, detonavam os livros. Eu sempre permiti isso, afinal faz parte do desenvolvimento deles, o livro era deles, e eles faziam o que queriam. Aos poucos eles começaram a prestar mais atenção nas figuras, nos significados, na sequência das páginas, e começaram a entender que não deveriam rasgar os livros, tudo sem neuras.
Aos 2 anos eu senti bastante mudança no interesse pelos livros. Percebi as preferências, mudanças na concentração, eles falando e mostrando as imagens, "contando" histórias, prestando bem mais atenção quando eu tentava contar uma história.
Depois dos 2 anos e meio consegui realmente contar histórias para eles.
Ontem, com o empréstimo dos livros da escola, nunca os vi tão interessados por uma história. Será porque foram eles que escolheram? Será porque viram os amiguinhos concentrados nos livros? Foi a professora? Foi a aula de música, de artes, de fantoche, ou de inglês? Acho que foi o conjunto de tudo isso.

Seguem os livros que eles trouxeram emprestado da escola:


Este foi escolha da Ruteca. A carinha dela, do começo ao fim. Até eu fiquei curiosa para saber o final da história! E como diria a Rute: "É foooooofo!"
Isto e Aquilo - Autor: Linch, Tanya; Sykes, Julie / Editora: Ciranda Cultural


A escolha do Miguelito. Ele não veio com heróis e carros. Como ele adora ursos, em especial um panda que ganhou do avô, ele trouxe para casa um livro cheio de graça e ternura.
Você e Eu, Ursinho ! Autor: Waddell, Martin / Editora: Brinque Book

Livros eu considero um investimento, não um gasto supérfluo e desnecessário. Adoro presentear crianças com livros, é original, barato perto de brinquedos e roupas, é útil, é divertido.
Adoraria vê-los lendo tanto quanto o papai lê, muito mais que a mamãe! Tem livros do meu marido no escritório, na sala, no quarto, no banheiro. Ele é super ratão de livraria, e sem modéstia, fala bem e escreve melhor ainda.
É de pequenino que criamos bons (ou maus) hábitos, e se depender de nós pais, um dia eles terão em casa a biblioteca só deles (se Deus quiser, e Ele quer). 

4 comentários:

Cris :-) disse...

Que legal quando eles começam a se interessar e a se concentrar nas histórias. É uma delícia ver as carinhas né?
Bjs
Cris
www.osgemeoscresceram.blogspot.com

Cynthia Barreto disse...

Bom saber que você faz isso Roberta, eu quando era criança lia muito, meus pais sempre me incentivaram e eu hoje não vivo sem ter um livro por perto!!

Faço o mesmo com minha filha e ela graças a Deus ela AMA ler e eu espero que este amor pelos livros fique cada vez mais forte!

Beijos!!

Mundo do Dani disse...

Amo ler, e o Daniel odeia !! Aqui em casa toda a gente tenta qe ele goste, mas ele odeia livros !!! Tá, ele gosta um pouquinhoo, rsrsrs
Beijoos

Julia Usui disse...

Que legal Mimi, eu tbm adoro livros e amo quem presenteia meus pequenos com livros.

Aqui a gente mostra as figurinhas sem deixa-los tocar, pois eles estão "naquela fase" destruidora...

rssss

bjs

Postar um comentário